Momento Saboroso – Picanha Assada no Forno

Ingredientes:

1 unidade(s) de Friboi
quanto baste de sal grosso

Como fazer:

Pegue uma assadeira e forre com papel alumínio.
Passe uma camada de sal grosso apenas do lado da gordura da picanha e a embrulhe no papel alumínio.
Cuidado para não rasgar o papel.
Leve ao forno médio por uma hora e meia, e sirva fatiada, com arroz branco.
É uma delícia!.

Rendimento: 10 porções

Tempo de Preparo: 1 hora e 30 minutos

Cozinha: Brasileira

Picanha assada no forno (c) cybercook.
Picanha assada no forno (c) cybercook.

Receita indicada por JOÃO ANTONIO VACARO

Retirado do Site: www.cybercook.com.br

SOLIDARIEDADE – Cresce número de doações de órgãos e transplantes no Paraná

De janeiro a novembro deste ano foram realizados no Paraná 417 transplantes, contra 152 em 2010, um aumento de 175% em apenas três anos. Foto: Venilton Kuchler/SESA
De janeiro a novembro deste ano foram realizados no Paraná 417 transplantes, contra 152 em 2010, um aumento de 175% em apenas três anos. Foto: Venilton Kuchler/SESA

O Estado do Paraná obteve um excelente desempenho na área de transplantes e doações de órgãos em janeiro. Em comparação com o mesmo período do ano passado, o número de doações concretizadas dobrou – passando de 12 para 24 – enquanto o número de transplantes aumentou em 85%, subindo de 21 para 39 procedimentos.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, os dados apontam que o trabalho de esclarecimento da população e capacitação das equipes envolvidas no processo de captação e transplantes está dando resultado. “Esses números mostram que o Paraná está no caminho certo para reduzir ainda mais a fila de espera por um órgão. São cerca de 2 mil paranaenses que ainda dependem deste gesto de amor e solidariedade”, disse.

A partir de 2011, o Governo do Paraná adotou uma série de medidas para melhorar o fluxo de captações e transplantes no Estado. Uma das ações foi a ampliação do uso da frota aérea estadual para o transporte de órgãos e equipes médicas. Todas as mudanças fizeram que o Paraná saltasse do décimo para o terceiro lugar no ranking de Estados com os melhores desempenhos no setor de transplantes.

FILA – Contudo, a lista de espera por um transplante de órgão no Paraná ainda tem 2.148 pacientes cadastrados. Destes, 1.556 já estão totalmente aptos a serem submetidos ao procedimento. Os outros 592 ainda são considerados receptadores inativos, pois precisam de exames complementares.

Atualmente, a maior demanda é por transplantes de rim, com 1.119 pacientes ativos na fila. Em seguida, vêm os pacientes que necessitam de córnea (289), fígado (102) e coração (38).

Outro dado de destaque no balanço de janeiro de 2015 diz respeito ao número de notificações de potenciais doadores. Neste período foram 70 casos, contra 44 identificados em 2014.

Segundo a diretora da Central Estadual de Transplantes, Arlene Badoch, esse aumento reflete a excelência no trabalho desenvolvido por todos os profissionais envolvidos no processo de doação/transplante. “O aumento nas doações é fruto de uma mudança de conceito promovida através das campanhas de conscientização. Hoje em dia a população está mais solidária e aberta a falar da doação dentro do ambiente familiar”, conta.

CAMPANHA – Para se tornar um doador de órgãos, basta comunicar sua família. Inclusive, este é o tema da campanha “Fale sobre isso”, lançada pelo Governo do Estado em setembro do ano passado. “A doação só ocorre com autorização dos parentes mais próximos. Por isso, ressaltamos a importância das pessoas conversarem com seus familiares e expressarem o desejo de se tornarem doadores após a morte”, explicou Badoch.

A mobilização envolve empresas e instituições parceiras de diversas regiões do Paraná. As ações vão desde inserção da logo em rótulo de produtos comerciais de grande alcance e visualização, divulgação em sites e até palestras com os funcionários.

A Federação Paranaense de Futebol (FPF), por exemplo, incluiu o texto da campanha em seus impressos, tabelas de jogos e informativos eletrônicos relativos ao Campeonato Paranaense de Futebol de 2015. Durante o arbitral do torneio, também foram expostos materiais da campanha para sensibilizar os dirigentes dos clubes participantes.

O presidente da FPF, Hélio Cury, afirma que a iniciativa utiliza o alcance do futebol para chamar a atenção dos torcedores sobre a importância da causa dos transplantes. “É uma satisfação poder participar desta campanha que ajuda a salvar vidas. Através de nossos materiais, temos alcançado milhares de pessoas que de alguma forma se relacionam com as ligas profissionais e amadoras vinculadas à federação”, destacou.

Fonte: AEN – Agência Estadual de Notícias

Vida Sustentável – 14 dicas para gastar menos combustível na hora de dirigir

A mudança de alguns hábitos na hora de dirigir trará uma grande economia para o seu bolso.  Foto :Mayra Rosa/CicloVivo
A mudança de alguns hábitos na hora de dirigir trará uma grande economia para o seu bolso.
Foto :Mayra Rosa/CicloVivo

Os automóveis são um dos maiores responsáveis pelo consumo de petróleo e emissões de gás carbônico no mundo. Com algumas dicas elaboradas pela seguradora Allianz, é possível reduzir o consumo de combustível, e consequentemente, poupar o meio ambiente. Além disso, a mudança de alguns hábitos na hora de dirigir trará uma grande economia para o seu bolso.

1. Atenção aos pneus

De acordo com a Agência de Informações em Energia dos Estados Unidos, a eficiência dos pneus poderia economizar aproximadamente 800 mil barris de petróleo por dia.

Verifique uma vez por mês a pressão dos pneus – os pneus perdem 0,15 bar de pressão em 30 dias – e certifique-se de fazer isso quando eles estiverem frios. Calibre os pneus do seu carro conforme a recomendação do fabricante e cuide para que as rodas estejam devidamente alinhadas.

2. Não fique em ponto morto

Quando estiver em um congestionamento, desligue o motor se achar que vai ficar parado por mais de um ou dois minutos. Desligando o motor, mesmo que seja por um curto intervalo, você economiza mais combustível do que o que gasta ao dar a partida no motor.

3. Marcha lenta

Num veículo manual, observe o conta-giros e mude a marcha antes de chegar a 2.500 rpm (gasolina) ou 2.000 rpm (diesel). Nessas faixas de rotação, o motor é mais eficiente em termos de consumo de combustível.

As transmissões automáticas trocarão as marchas com mais eficácia se você aliviar um pouco a pressão do pé no acelerador logo que o carro embalar. Sempre que puder manter uma velocidade constante, tente usar a marcha mais alta possível.

4. Mantenha a distância

Mantenha uma distância razoável do carro à sua frente para poder antecipar as manobras e acompanhar o fluxo do trânsito. Isso evita acelerações desnecessárias e freadas que acabam gastando combustível. Além disso, é bem mais seguro.

A distância segura mínima entre você e o carro à sua frente é de três segundos. Ao avistar tráfego parado mais adiante, tire o pé do acelerador e deixe que a perda de potência do motor desacelere o carro. Não espere para frear no último minuto.

5. Desacelere

Mais da metade dos motoristas britânicos abordados em uma pesquisa no início de 2011 afirmaram que a reação deles diante dos aumentos no preço da gasolina seria desacelerar.

Isso porque acima de 90 km/h o consumo de combustível aumenta de modo significativo. A 110 km/h, o carro consome 25% mais combustível do que a 90 km/h. Usar o controle de velocidade em trechos mais longos de estrada ajuda o carro a manter velocidade constante e acaba economizando combustível.

6. Desligue o ar-condicionado

Use o ar-condicionado com moderação, já que ele aumenta significativamente o consumo de combustível. O ar-condicionado ligado pode representar 10% a mais no gasto de combustível. Porém, acima de 80 km/h é melhor ligar a climatização do que andar com janela aberta, pois isso gera arrasto aerodinâmico. Para quem roda em velocidade mais alta, a alternativa é usar as entradas de ar, mas sem ligar o ar-condicionado. Estacionar em locais sombreados também ajuda a reduzir o uso da climatização.

7. Perca peso

Não, não estamos falando de você! Mas vale a pena deixar seu carro mais enxuto. Como qualquer peso extra consome mais combustível, retire tudo que é desnecessário de dentro do carro. Um excesso de 48 kg pode aumentar em 2% a sua conta no posto. Mas não vá comprometer a segurança: mantenha o estepe, o macaco e as ferramentas no devido lugar.

8. Reduza o arrasto

Há uma boa razão para os carros mais velozes do mundo terem formas que lembram uma bala ou um avião. Formas alongadas e aerodinâmicas reduzem o atrito e o arrasto do vento, portanto reduzem a quantidade de energia exigida para impulsionar o veículo.

Racks e bagageiros no teto e porta-bicicletas afetam sensivelmente a aerodinâmica do seu carro e reduzem a eficiência do consumo de combustível. Portanto, retire esses acessórios quando não estiverem em uso. Manter janelas ou teto solar abertos também aumenta a resistência do ar e o consumo de combustível em até mais de 20% quando em alta velocidade.

9. Desligue os acessórios

Antes de dar a partida, certifique-se de desligar todos os acessórios que consomem energia. Desse modo você diminui a carga exigida do motor na próxima vez que ligá-lo.

Acessórios conectáveis ao acendedor do carro, tais como consoles de TV para minivans e utilitários (SUVs), podem forçar o alternador a trabalhar mais para gerar corrente extra. Desligue o aquecedor, os desembaçadores do para-brisa traseiro e os faróis quando não precisar deles.

10. Partida rápida

Certifique-se de que você está pronto para sair antes de dar a partida no motor. A não ser que você more em um local muito frio, a maioria dos carros não precisa ‘esquentar o motor’ antes de sair rodando.

11. Você não é motorista de fuga

Evite dirigir de forma agressiva e sair cantando os pneus como nos filmes de ação. Assim como as freadas bruscas, isso só serve para gastar combustível sem necessidade. No tráfego urbano, cerca de 50% da energia necessária para impulsionar seu carro é usada na aceleração. Portanto, vá com calma, que você chega lá.

Mude as marchas e passe logo para a marcha mais alta assim que puder, e sem acelerar mais que o necessário. Dirigir em marchas mais baixas que o necessário é um desperdício de combustível.

12. Distribua a carga

Ninguém precisa dirigir sozinho. Com um pouco de planejamento e boa comunicação, é possível poupar combustível e emissões de CO2, além de não congestionar as ruas. Pessoas que saem da mesma rua ou do mesmo prédio para ir ao centro da cidade ou até a escola do bairro podem usar um carro só, em vez de dois ou três.

Cada litro de combustível usado emite mais de 2,5 kg de CO2. Seja no rodízio com colegas para ir trabalhar ou num passeio com amigos, compartilhar o automóvel é uma atitude sensata.

13. Corte os deslocamentos curtos

Motores levam tempo para atingir a temperatura que possibilita uma eficiência ótima no consumo de combustível, e os conversores catalíticos que reduzem emissões podem levar até oito quilômetros para se tornar eficazes. Por isso os veículos são menos eficientes no consumo e mais poluentes no início de um percurso ou em trajetos curtos.

Infelizmente, mais da metade de todas as viagens de carro na Europa têm menos de cinco quilômetros, segundo a Comissão Europeia. Tente combinar um percurso curto com outro mais longo ou, melhor ainda, vá a pé ou de bicicleta.

14. Cuide da manutenção do carro

Cuide bem do seu carro. Faça manutenção regularmente, seguindo as instruções do fabricante. Um motor mal regulado pode gastar muito mais combustível e gerar mais emissões do que um motor bem mantido.

Filtros de ar e óleo do motor sujos também podem aumentar o consumo de combustível. Troque o óleo quando necessário e certifique-se de usar o mais adequado para seu motor.

Redação Ciclo Vivo

logo_horizontal

Campo Mourão – Carnaval Popular da Família aconteceu no Lar Paraná e na Asa Leste

A Prefeita Regina Dubay participou da Festa.
A Prefeita Regina Dubay participou da Festa.

Uma tarde com muita animação da Banda Municipal e som eletrônico reuniu pessoas de todas as idades no sábado, 14, no Lar Paraná e na região da Asa Leste. Foi o Carnaval Popular da Família promovido pelo Município de Campo Mourão, através da Fecam (Fundação de Esportes) e Fundacam (Fundação Cultural).

No Lar Paraná a programação aconteceu no Projeto Abrace enquanto que na Asa Leste a festa popular foi no Centro da Juventude Itachir Tagliari. Um bom número de mourãoenses compareceu aos dois locais e caiu na folia, aproveitando bem a festividade que acontece em todo país neste período.A participação na também denominada “matinê” foi gratuita e sem limites de idade.

A prefeita Regina Dubay esteve nos dois locais, juntamente com a Secretária Especial da Cultura, Sonia Singer e o Secretário Especial do Esporte, Recreação e Lazer; Ricardo Arty Echelmeier. Quem também esteve prestigiando foi a vereadora Nelita Piacentini. Os foliões, cada um ao seu estilo, se enfeitaram para participarem, todos com motivos carnavalescos.

“É de grande importância e valor podermos trazer esta diversão a nossa comunidade, fazendo reviver em todos a magia e a alegria do carnaval, evidentemente, de forma direita e sem exageros, para que as famílias possam participar sem nenhum receio”, disse a prefeita Regina.

Fonte: Assessoria de Imprensa de Prefeitura de Campo Mourão

Meio Ambiente – Apreendidos em aeroporto de Paris 19 mil cavalos marinhos desidratados

(c) Diário do Nordeste.
(c) Diário do Nordeste.

Dezenove mil cavalos marinhos desidratados, um animal protegido pela convenção de Washington sobre as espécies ameaçadas de extinção, foram apreendidos no aeroporto parisiense de Roissy, anunciou nesta segunda-feira (9) a direção de alfândega.

Os animais, transportados desidratados, foram descobertos em uma remessa comercial proveniente de Madagascar e com destino a Hong Kong, informou à AFP a direção de alfândega. Seu valor é estimado em 200.000 euros.

Dias antes, em 15 de janeiro, os serviços de alfândega, encarregados do controle de viajantes, os serviços de alfândega interceptaram 112 cavalos marinhos mortos nas malas de um casal procedente de Xangai, informou a direção de alfândega.

Segundo suas declarações, os animais seriam usados no preparo de caldos para bebês. Os animais foram apreendidos e as pessoas envolvidas, receberam elevadas multas.

Os cavalos marinhos são protegidos pela Convenção de Washington sobre o comércio internacional de espécies da flora e da fauna ameaçadas de extinção (CITES), pela destruição de seu habitat ou caça.

Os animais são usados na medicina tradicional chinesa, que atribui a eles virtudes terapêuticas e afrodisíacas, ou são desidratados para ser vendidos como suvenires.

A apreensão dos 19 mil exemplares é a mais importante do tipo no aeroporto de Roissy desde 2005, quando 35.000 cavalos marinhos foram descobertos, procedentes de Conacri, na Guiné, com destino à China. (Fonte: UOL)

Retirado do Site: www.ambientebrasil.com.br

O Melhor Site Ambiental do País.

 

MOMENTO SABOROSO – Bolo de cenoura com pudim de chocolate

Bolo de Cenoura com Pudim de Chocolate.
Bolo de Cenoura com Pudim de Chocolate.

Pense na mistura perfeita! Se pensou em bolo de cenoura com pudim de chocolate você acertou. Esta receita é simplesmente espetacular e vai te surpreender.

Ingredientes

2 cenouras grandes
2 xícaras (chá) de açúcar
3 ovos
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara(s) (chá) de Óleo de soja

Pudim

1 lata de
1 lata de leite de vaca
1 xícara (chá) de chocolate em pó
açúcar e água para caramelizar
3 unidade(s) de ovo

Como fazer

Bata no liquidificador o óleo, as cenouras cortadas e os ovos.
Em um recipiente, peneire a farinha de trigo, o açúcar e o fermento em pó.
Com uma colher, misture os secos com o líquido que foi batido no liquidificador até ficar uma mistura homogênea.

Pudim

Faça uma calda de caramelo com o açúcar e a água, deixe no fogo até caramelar e reserve.

Bata no liquidificador o leite condensado, o leite de vaca e os ovos Coloque a calda em uma forma de bolo com furo (tipo forma de pudim), acrescente a mistura de chocolate e por último coloque a massa do bolo de cenoura Coloque para assar em forno preaquecido a 200ºC em banho-maria até que o bolo cozinhe.

Rendimento: 15 porções
Tempo de Preparo: 1 hora e 30 minutos
Cozinha: Brasileira

Retirado do Site: www.cybercook.com.br

Britânico constrói casa sustentável com as próprias mãos

Do local, ele usou a madeira reaproveitada, também foram usados objetos que haviam sido descartados.  Foto :Simon Dale
Do local, ele usou a madeira reaproveitada, também foram usados objetos que haviam sido descartados.
Foto :Simon Dale

A residência de Simon Dale agrega várias técnicas e materiais sustentáveis empregadas por ele mesmo, com a ajuda de seu sogro. A construção foi feita dentro de uma Ecovila, na Escócia em apenas quatro meses.

Dale não tinha nenhuma experiência em carpintaria e arquitetura, mesmo assim conseguiu fazer uma casa interessante. Além disso, economizou dinheiro. Ao final foram gastos cerca de R$ 9 mil, valor bem abaixo do que pagaria para outros fazerem. Ele também não teve de pagar pelo terreno, pois o proprietário ficou satisfeito em ver sua propriedade, que estava abandonada, sendo cuidada.

hobbit-house-ciclovivo-2

Do local, ele usou a madeira reaproveitada, também foram usados objetos que haviam sido descartados, como janelas e encanamento. Dale instalou uma clarabóia no telhado para permitir a entrada de luz natural e painéis solares. Os banheiros utilizam as técnicas da compostagem e a água do telhado.

“Essa construção parte de uma visão de vida que prega pouco impacto ao meio ambiente. Ela se baseia no conceito de viver em harmonia com o mundo natural e nós mesmos, fazendo as coisas de maneira simples”, afirmou Dale ao tablóide “Daily Mail”.

Foto: Tom Dale.
Foto: Tom Dale.

Para Dale, durante a construção houve momentos de muita exaustão, porém a satisfação e o incentivo das pessoas venceram este cansaço. A casa, inclusive, foi apelidada pelos vizinhos como hobbit, fazendo uma referência às casas da ficção produzida por J. R.R Tolkien nos livros “O Hobbit” e “O Senhor dos Aneis”.

Redação CicloVivo

Retirado do Site: www.ciclovivo.com.br

COMCAM – Bombeiros de Goioerê recebem caminhão solicitado pelo deputado Douglas

(c) Divulgação.
(c) Divulgação.

A unidade do Corpo de Bombeiros de Goioerê recebeu, no fim do ano, um caminhão ABTR cedido pelo Sub-grupamento de Campo Mourão. A transferência do veículo atende solicitação do deputado estadual Douglas Fabrício, feita no dia 1º de dezembro do ano passado, ao Comando dos Bombeiros do Paraná.

Ao justificar a solicitação, o deputado explicou que o sub-grupamento de Campo Mourão recebeu no fim do ano um novo e moderno caminhão de combate a incêndio, também solicitado por ele. “Como já conseguimos a profissionalização dos bombeiros de Goioerê no ano passado, o que também foi um grande avanço, agora fomos atendidos em mais essa solicitação que vai beneficiar não só Goioerê como as cidades vizinhas”, enfatizou o deputado.

“Graças a Deus temos conseguido muitos avanços junto ao governador Beto Richa. A população me ajudou com seu voto e eu agora trabalho para melhorar cada vez mais a vida da população”, acrescentou o deputado, reeleito para o terceiro mandato e que na próxima semana assume o cargo de secretário estadual do Esporte e Turismo.

Segundo o deputado-secretário, também já houve avanços nas suas reivindicações para melhorias na estrutura da unidade de bombeiros instalada em Ubiratã.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Deputado Estadual Douglas Fabrício – PPS-PR

 

CRISE HÍDRICA – Estudos apontam que falta de água pode tornar o mundo vegetariano

A criação de carne para alimentação torna cada vez maior o problema com a falta d’água. – Foto: One Gorgeous Cow on Wiki Commons.
A criação de carne para alimentação torna cada vez maior o problema com a falta d’água. – Foto: One Gorgeous Cow on Wiki Commons.

Por Alex Avancini (da Redação)

Segundo Malin Falkenmark, conselheiro científico sênior do Stockholm International Water Institute (SIWI), metade da população mundial enfrentará falta de água crônica se os atuais hábitos de consumo alimentar continuarem como estão. O consumo sustentável da água significa apostar em dietas nas quais a maior parte da composição alimentar sejam proteínas provenientes de origem vegetal e não animal, como ocorre atualmente.

Em parte do relatório Food Security: Overcoming Water Scarcity Realities, Falkenmark fala sobre segurança alimentar:

“Não teremos água suficiente à disposição para abastecer as demandas atuais de terras agrícolas para produzir alimentos para a população esperada em 2050 se seguirmos as tendências e mudanças no sentido de dietas comuns em nações ocidentais atuais – 3.000 calorias per capita, incluindo 20% das calorias produzidas provenientes de proteínas de origem animal. Haverá no entanto, água suficiente apenas se a proporção de alimentos com base em origem animal for limitada a 5% do total de calorias”.

Isso significa na prática que, para continuarmos a ter água disponível a disposição no planeta, teremos que readequar nossos hábitos alimentares para dietas mais sustentáveis, com menos proteínas de origem animal em sua composição, pois essas fontes alimentares demandam uma quantidade exorbitante de água para sua produção. Investir em dietas ricas em proteínas de origem vegetal é o melhor caminho para garantir e manter os níveis de água potável no planeta, um exemplo é o vegetarianismo estrito, praticado pelos veganos.

Para a Water Foot Print, uma plataforma para conectar diversas comunidades interessadas em sustentabilidade, equidade e eficiência do uso da água no planeta, estes estudos apontam que o aumento previsto na produção e consumo de produtos de origem animal aumentará a pressão sobre os recursos de água doce do planeta. O tamanho e as características da pegada de água na produção destes “alimentos” variam de acordo com os tipos de animais e sistemas de produção. Para se ter uma ideia:

A pegada hídrica de carne de bovinos de corte é de 15.400 metros cúbicos por tonelada, ou seja, para apenas 1kg de carne bovina são necessários mais de 15.000 litros de água. Para os ovinos são necessários 10.400 litros, suínos 6.000 litros, caprinos 5.500, frangos 4.300 litros, ovo de galinha 3.300 litros para cada 1 kg e o leite de vaca, mil litros.

Cada vez mais cientistas apontam que a adoção de uma dieta vegetariana é a melhor opção para aumentar e manter a quantidade de água disponível para a produção de alimentos e eliminar de vez a possibilidade nos riscos de desabastecimento de água e uma futura possível crise alimentar. A dieta vegetariana consome de cinco a dez vezes menos água que a de proteína animal que demanda um terço das terras aráveis do mundo para o cultivo de colheitas para alimentar os animais. Ou seja, a grande esmagadora maioria de soja que plantamos hoje não é para acabar com a fome de humanos, é para alimentar o gado.

Para a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, será necessário aumentar a produção de alimentos em 70% nos próximos 40 anos para atender à demanda na terra, mas atualmente, não temos condições e nem teremos água disponível para atingir tal meta, pois, os mesmos 15.000 litros de água utilizados para criar apenas 1kg de carne bovina, é a mesma e disputada água utilizada para satisfazer a demanda global de energia, que deverá crescer 60% em três décadas.

O vegetarianismo estrito aliado ao veganismo não é bom apenas para o planeta, mas sim para as pessoas que nele vivem. É bom para a saúde, pois elimina diversas doenças relacionadas ao câncer e o coração, mas o mais importante: É bom para os animais, pois são seres sencientes, escravizados para satisfazer os desejos alimentares dos seres humanos.

Retirado do Site: www.anda.jor.br

anda-logo-frase

Projeto Fábrica de Florestas planta mais de 80 mil mudas em 2014

A ação também foi responsável pela produção de mais de 165 mil mudas em todo território nacional.  Foto :Braskem/Divulgação
A ação também foi responsável pela produção de mais de 165 mil mudas em todo território nacional.
Foto :Braskem/Divulgação

O projeto Fábrica de Florestas, iniciativa socioambiental desenvolvida com o apoio da Braskem, quase triplicou o volume de mudas plantadas em 2014 em relação a 2013, com a entrega de aproximadamente 80 mil mudas de espécies nativas da Mata Atlântica plantadas nos estados da Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. Desenvolvida pelo Instituto Fábrica de Florestas, a ação também foi responsável pela produção de mais de 165 mil mudas em todo território nacional.

Além do trabalho de recuperação de áreas degradadas, o Fábrica de Florestas também investe em ações de sensibilização e capacitação das comunidades envolvidas, por meio de seminários, visitas guiadas e cursos. No último ano, houve a ampliação do projeto ‘Viveiro Escola’, que desenvolve atividades de educação ambiental para alunos da rede pública de ensino e visitantes. No total, mais de 17 mil pessoas participaram das atividades com temas específicos de florestas, um número 54% maior do que o registrado em 2013.

“Para este ano nossa expectativa é ampliar o plantio em áreas urbanas, dando novas utilizações a áreas anteriormente degradadas, e expandir o número de visitas à Estação Ambiental Braskem Bahia, que foi inaugurada em 2014 e está localizada no Parque do Sauípe. Também manteremos o volume de produção e plantio de mudas, de acordo com a necessidade de cada região”, afirma Álvaro Oyama, diretor executivo do Instituto Fábrica de Florestas.

O projeto ainda conta com a parceria das prefeituras municipais e instituições de ensino, como a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRJ). Em Duque de Caxias (RJ), estudantes do curso de Engenharia Florestal ministraram aulas semanais para jovens de escolas da região que, em 2014, somaram quase dois mil.

“É uma premissa constante da Braskem fomentar iniciativas que contribuam para melhorar o desenvolvimento humano, incluindo aspectos como a preservação de áreas verdes e educação ambiental”, afirma André Leal, líder de Responsabilidade Social da Braskem.

Retirado do Site: ciclovivo.com.br

logo_horizontal